18.6.09

[miniconto sem meias, I]

- Não é só porque você está gravando que eu vou fingir que não te conheço.
- Não precisa fingir nada. Só conta. Está bem?
suspiros



O cara que roubou minha meia-calça
(miniconto em capítulos escrito para andré heibs,
o cara que não roubou meia-calça alguma.)
Pelo jeito eu tenho que me apresentar. É difícil dizer de mim. Parece que eu tenho 30, não é? Bem, é quase isso. Não espere que eu diga que sou casada, nenhuma mulher casada perderia uma meia-calça na madrugada de um dia de semana, num bar vermelho.
Decerto as minhas unhas também eram vermelhas naquela quinta. Até porque eu jamais tomaria um mojito com unhas de outra cor, é uma questão de estilo, se você me entende. Era uma questão de estilo e de princípios.
Mas antes de contar a história, tem uma coisas que você precisa saber. 1. Que a meia-calça era azul marinho, fio 60. Se você é um homem, basta saber que ela não era transparente, até porque aquele vestido era um atentado aos pudores que nunca tive. 2. Que o cara chama O Cara mesmo, porque eu não tive a decência de perguntar o seu nome, a que ponto cheguei. E, por fim, 3. Que essa história é inteira verdade, mas é a minha versão. Então talvez tenha qualquer coisa de exagero, qualquer coisa de surreal.
Mas a verdade é que tudo isso aconteceu, e bem do jeito que eu vou contar.

- Ô, merda.
- Que foi, tou falando errado?
- Não, espera. Essa fita vai acabar.
longo suspiro.

5 comentários:

Natalia Xavier disse...

Vai ter continuação né???
rs

Me deu nostalgia, dai resolvi criar um layout de 15 anos, rs...

Bjos e td de bom

carolinepires disse...

Belo blog, belo conto, passo a te acompanhar agora...
Beijos!

Bianca De Vit disse...

A história que contamos é sempre apenas mais uma versão... E é sempre verdadeira, seja lá o que isso quer dizer! Mas a tua é, no mínimo, inusitada!
Beijo!

Jaya disse...

Aproveito também pra dizer que as histórias, ainda que reais, dentro da tua versão, não conseguem não me levar inteira pra dentro delas.

Cadê o mojito de agora? Tem carmin nas minhas unhas.

Rs.

[Isso tá muito, mas muito bom, cara! Eu queria roubar tua meia-calça].

___________

Você lendo as sombras, só me faz pensar que já corri pro sol. Porque há um ano atrás, eu bem quis aquilo tudo. Mas escondi. Hoje, um ano depois, me fiz desnuda. E que seja porta aberta pra fazer minha versão vermelha. Ardendo. E sempre.

Nem tudo é perda. Mas muito, muito passa.

_____________

E uns beijos são teus, vacagay. Porque eu gosdimaisditu, nessa vida. [E em todas as outras].

Jaya disse...

Ah! Esqueci de dizer que aqui tá lindolindolindo.

[Me lembrou Amelie, pelo verdevermelho].