28.6.10

A montanha mágica.

O vento rasga a janela, o quarto se enche de frio. Como se não me importasse, os braços, as pernas nus. Arrepio é bom, mesmo quando é assim.
O gosto antigo, o som antigo, as pessoas de antes. E tudo tão novo, tão renovador. Sentir-me viva nem sempre me dói.

(E não importe o que o tempo ou as pílulas possam mudar, o passado sempre será o melhor dos tempos. E gosto assim.)

3 comentários:

muita vontade de escrever disse...

quem volta?
John TraVolta

Jaya Magalhães disse...

Gosto assim, também. E acho você uma ridícula com esse lay todo lindo. ¬¬

Laís Eva disse...

"O gosto antigo, o som antigo, as pessoas de antes. E tudo tão novo, tão renovador!"

Já dizia a Cora Coralina:

"Recria tua vida, sempre, sempre. Remove pedras e planta roseiras e faz doce. Recomeça. Faz de tua vida mesquinha um poema."