18.12.10

Beijos explodem como bombas ao anoitecer.

Porque eu passei 21 anos planejando coisas que só deram errado. E agora tudo dará certo, de improviso. Ou não. Mas pelo menos vou gastar menos tempo com planos infalíveis.

Não tenho muito pra escrever, empirismo é um troço meio chato. E estou empírica. Mas eu adoro a Brenda, a Cristal, a Flor, a Jaya, a Lulu: nem sempre leio, é verdade. Mas não por falta de vontade. Tem as meninas que eu não sei de onde vêm, e os caras que me assustam. E Anônimo, que já me fez sonhar demais, eu te gosto, também. Mas as palavras são poucas - e têm perdido a importância pra mim, mundo injusto.

Pra quem me lê, eu volto depois de ter ido lá do outro lado, dar um beijo real num amigo virtual.

E, para terminar o ano.

Alice tirou a roupa preta, porque diziam que era tempos de vestir branco. Como se não fossem mesmo tempos de guerra - ela pensou, muito embora não vestisse luto; seus olhos eram muito azuis e suas idéias muito coloridas, não precisava de outras roupas para ser leve. Nua, perto da água, Alice fez aquele velho ritual. Respirar, sentir, coexistir. Era estranho ter que terminar coisas só porque os dias queriam assim. Mas ela não se importava, e com calma alinhavava os últimos bordados daquele ano. Não pensar, não calcular, não planejar.
Com um impulso decidido, mergulhou. Para os mistérios daquele lugar desconhecido, futuro.

3 comentários:

Brenda Matos disse...

Essa Brenda aí sou eu? Porque se for, Lua, saiba que dei pulinhos de alegria aqui do outro lado. :)

Você foi fazer exatamente o que eu mais sinto vontade no momento: Encontrar amigos virtuais.

Eu cansei de planejar. Sempre dá errado. Acho que vou juntar um pouquinho de coragem e mergulhar de cabeça e sem medo do que virá.

Beijo, Lua, você é uma linda.

Eu, Thiago Assis disse...

que belo texto, descrição perfeita de uma personagem cativante..
=]

gostei daqui.

Iuri disse...

tu escreve demais pqp

saudade tbm