4.7.10

Sobre os medos.

Não sei como era quando eu era pequena, mas desde que me lembro por gente, eu tenho muito medo. Medos variados, de coisas diversas. Tinha um tempo que eu tinha medo de mortos e de espíritos. Depois eu tinha medo de ser lésbica. E foi aí que meus medos começaram a se refinar (O Houaiss diz, entre outras coisas, que refinar é tornar mais apurado, mais requintado; ou tornar mais forte e intenso).
E digo refinar porque foi isso mesmo. Meus medos são muito sólidos, muito senhores de si. Sim, porque eles quase são independentes de mim. E muito exatos. Não tenho medo de ser assaltada, é ruim, mas não tenho medo. Medo mesmo eu tenho de ser seguida, por exemplo. Porque inclui o outro, e o outro me dá um medo abissal (Segundo o Houaiss, de novo, abissal é o que aterroriza, está coberto de mistério, indecifrável; mas ainda diz respeito a abismo). As intenções, o livre arbítrio, essas coisas todas. Isso influidiretamente nas relações que quero estabelecer (mas isso não vem ao caso).
Mas o que mais me incomoda é fato de não ter meus medos respeitados. E o melhor exemplo disso é o medo vertiginoso que tenho de cachorros. Já foi muito mais intenso, e hoje consigo até acarinhar um cão ou outro. Mas isso não muda a minha posição, que eu sei qual é. As pessoas tentam me convencer do contrário: 'ah, ele não morde nem uma mosca, ele é superbonzinho'. Sorte a sua, eu não moraria com um quadrúpede assassino e fico feliz que você também não. Mas QUANDO foi que eu disse que eu tenho medo de sermordida pelo seu monstrinho? Eu tenho medo é da existência dele. Os dentes são só umaconsequência, que vem com todo o conjunto. Eu tenho medo das unhas, do rabo, do nariz molhado, dos latidos, dos ganidos, do pêlo grosso, das pulgas. Eu tenho medo do cão inteiro, mesmo com uma focinheira, ou mesmo de um cão sem boca. Respeita?
Ainda assim, esses medos nem são os piores. Tem ainda os medos que devo curar, porque mudam minha vida. Eu não gosto de sujeira. Em geral, tendem a confundir sujeira combagunça. O que, obviamente, é descabido. Não gosto de estar suja. E que isso tem a ver com os livros espalhados pelo quarto, a toalha molhada em cima da cama, mil bitucas de cigarro em todos os cantos? Não entro de sapatos no meu quarto, porque a rua é suja. Não gosto de encostar em pessoas no ônibus; e passo álcool quando encosto em mesas,corrimãos, transportes públicos. Já pensaram quantas pessoas espirraram na mão e a limparam ali? Não, obrigada, só quero os germes das pessoas com que faço sexo, e isso é o bastante. E me dou ao luxo de roer minhas unhas porque sempre estão minimamente limpas (mais limpas que os copos de bar, pode apostar nisso).
E tenho medo de ser abandonada. Mas isso nem os comprimidos vão resolver.

Um comentário:

muita vontade de escrever disse...

eu tenho um medo absurdo de mariposas. eu tenho mais medo de mariposas do que de baratas.
E entendo seu medo por cachorro, só não entendo como você pode ter medo de algo como o Merlin e sentir saudade da Alice.