12.2.11

Sobre sentir como no ginásio.

No meio da semana eu me sentia como no colegial. Agora é sábado à noite e temos isso. Talvez essa regressão quase involuntária devesse ser tema pra minha análise, mas eu abandonei aquele chato, porque eu resolvo melhor meus problemas sem ter que falar sobre a minha relação com blá-whiskas. (Mas Lulu, é importante você ir lá e chutar - metaforicamente - uns problemas pra ficar - literalmente - sorrindo à toa e depois chutar - literalmente se você for fodona - o canastrão).
Mas é isso aí. É sábado a noite, eu estou em casa sozinha, totalmente sóbria, sem nenhum evento pelas próximas 24h e me divertindo. Como é legal é fazer isso! E eu mal me lembrava como era passar o dia dormindo e vendo filmes, andando de canga pra lá e pra cá sem ter que interagir com pessoas.
Tudo começou ontem. Quando eu estava no ônibus indo encontrar um cara X e resolvi dar uma caprichadinha no lápis de olho. E fiz que nem quando a gente tem 13 anos, compra o primeiro lápis de olho, não sabe passar e nem quer deixar torto, e vai só subindo a linha quando vê, parece que passou uma sombra preta, e caga tudo embaixo e fica com cara de porre. E que combina com olho-de-panda? Esmalte preto, e foi isso que eu comprei.
E eu podia ter ido para onde eu disse que eu iria hoje, mas nãaao. Nada como fazer um remember que ninguém vai estragar: sozinha.

(Só preciso ficar atenta. Quando bater a vontade de ouvir JovenPan, eu peço socorro).

6 comentários:

Marcelo Mayer disse...

porque ser adulto as vezes perde a graça mesmo... é bom me sentir idiota. ou sei lá, saber que hoje sou me;hor

Karla Marrocos disse...

pelo amor de deus, não regrida ao nível jovenpan, mix fm etc.. de resto, tá tudo certo!

muita vontade de escrever disse...

Se ainda pudessemos ouvir a 89....#órfãosda89fm : (

Heyk disse...

Como esses dramas diários valem pras coisas né? Tanto exagerar na saidinha como aproveitar o ficar sozinha são lugares intermináveis dos romances e das nossas his´torias de elevador, ou de ônibus. acho que vale, tanto quanto inventar criaturas e cavalgar com elas.vamos juntos. Um abraço.

Junkie Careta disse...

Ainda tô comovido com o texto do seu outro blog que não consegui colocar um comentário...
"...Porquê tudo tem peso e nome..."

Foi uma grande frase. Arrasadora pra mim nesse momento. Belíssimo texto.Ainda vou aprender um dia a ter esse poder de síntese.

Quanto a sentir como no colegial, vc se espantaria em saber, como uma coisa banal como fazer a barba,pode ser divertido para um homem se ele sabe que pode dormir o dia todo naquele dia...ou bater uma bola com os amigos sem planejar.Quando a alma está bem, ficar sozi
nho pode ser como Drummond disse:

"...Solidão não é ausência...solidão é estar em mim."

Seu amigo junkie retorna ao Spleen Rosa Chumbo, dessa vez com muito pouco rosa e muito chumbo, convidando os amigos para aquilo que talvez possa até a ser o último post.

Traga sua caixa de lenços, uma pipoca,um estojo de primeiros socorros e um coração e estômago fortes.

Espero que vc possa aparecer

Grande abraço

R. disse...

Esses micro-auto-retiros são bons e ando até precisando seguir seus passos e fazer o mesmo. Mas ando tão sem tempo pra eles! Chatão e quase burro não ter tempo pra si mesmo, mas é que o carnaval taí, difícil ficar em casa, sozinho, sem nenhum evento nas próximas 24 horas...!

Bjs!