26.8.10

Monológo de transporte público [ou O cara que inventou sms não me conhecia, senão não tinha inventado]

Enquanto padeço na secura da cidade e o calor deixa as minhas idéias muito misturadas, penso que ninguém é feio, e acho muito delicadas todas essas belezas. Enquanto espero palavras que não virão, repenso as que já vieram, e nem assim são certezas. Achei engraçado que tenham havido dois posts sobre verdade ontem, nesses dias em que se estabeleceu cumplicidade em nós, nem sei como.
A cidade está tão suja que o rio está baixo e não fede mais. Não é engraçado que a gente se acostume tanto aos cheiros ruins, aos dias ruins, à felicidade e tudo quanto contradiz isso é espantoso, porque nem percebemos?
Sabe, eu não quero aprender a dirigir. Vou ser muito preguiçosa. Mas também não tenho coragem de andar de bicicleta.
Eu olho um menino, que está com vergonha dos meus olhos e um moço de Filosofia não desprega os olhos claros, de jeito assustado, das reticências, mas perde o jeito se olho pra ele.
A rua que não chama Matoso está devagar e o moço do meu lado ouve umas músicas que podiam ser Calypso, mas eu prefiro achar que é uma trilha de Bollywood, meus esmaltes estão pavorosos, mas mesmo assim eu não morri.
Penso se você vai ler essas mensagens, aquele filme abriu alguma porta da percepção e agora só faltam dois pontos de ônibus, mas a sala vai estar lotada.
Não esqueça de escovar os dentes e faça a Lola rir um pouco. Tome água também, porque a cidade está tão úmida quando o Saara - e isso infelizmente é verdade.
Se eu tivesse uma ambulância, eu sempre chegaria na hora.

(Não que você tenha perguntado, mas era nisso que eu estava pensando.)



Cara, valeu por me ler sempre. E obrigada por sempre fazer madrugada pra me ouvir.

4 comentários:

flor disse...

Eu também não tenho coragem de andar de bicicleta.

uma cerveja?

bruno dumont. disse...

eu leio sim, e estou vivendo. tem gente que não lê, e está morrendo.

sempre que você pedir madrugada, tornar-se-á.

Amanda Bia disse...

e assim se faz o cotidiano.
beijo.

so sad disse...

ah eu acho que dirigir te dá uma liberdade tão grande... vc pode ir pra onde quiser...
beijo!